Entenda porquê recalque não é inveja

Recentemente estouraram muitas músicas e memes que falavam de recalque ou de pessoas recalcadas. Virou uma expressão no senso comum que denomina inveja, cobiça, olho gordo. Representa a pessoa “recalcada”, que fala mal dos outros. Mas essa expressão já é usada pela Psicanálise desde 1895 e não tem nada a ver com o que se tem falado por aí.

Lembrando que não há nada de errado em usar a palavra recalque como inveja no senso comum, você tem toda a liberdade para isso. Só achei interessante entendermos o que é o Recalque na psicanálise para sabermos que o Recalque da música da Valesca Popozuda, por exemplo, não é um termo da psicologia e conseguirmos diferenciar os dois. No post de hoje vou tentar explicar de maneira simples o que é o Recalque para a psicanálise.

Recalque

            O Recalque é um dos conceitos principais da Psicologia Psicanalítica criada por Sigmund Freud. Nada mais é que um mecanismo de defesa inconsciente do nosso corpo, como que uma defesa de nós mesmos. Explicando em termos simples, é o seguinte:

             Quando você tem um desejo, aspiração, instinto ou até uma vivência que é considerado “absurdo” por você, algo que seja penoso, difícil de aceitar ou até perigoso, entra em ação automaticamente essa defesa inconsciente da nossa mente que recalca esse desejo ou pensamento. É como um mecanismo de segurança que evita que fiquemos doentes com tal ideia tirando-a da nossa vista. Então ela joga esse desejo ou pensamento para o nosso inconsciente, onde não podemos mais acessá-lo e podemos continuar nossa vida de forma saudável sem ter que lidar com esse pensamento repulsivo.

            recalque-post-2Vale a pena lembrar que tudo isso ocorre de forma inconsciente, ou seja, não é um processo percebido por nós, tudo acontece antes mesmo de você entrar em contato com a angústia que seria produzida pelo desejo repulsivo.

            Há também uma confusão comum entre Recalque e Repressão. O Recalque é o mecanismo que envia os eventos ou desejos dolorosos ao inconsciente, e a Repressão é o mecanismo que impede que esses pensamentos ou eventos já recalcados saiam de lá e alcancem nosso consciente novamente.

           Talvez ainda esteja confuso, então vou tentar dar um breve exemplo. Imagine uma pessoa que tem nojo de batatas, ela comia batatas quando era pequena, mas hoje em dia simplesmente não consegue comer batatas e não sabe o motivo ou quando isso começou. Essa pessoa provavelmente teve alguma vivência envolvendo batatas que foi tão repulsiva para ela naquele momento, que sua mente entendeu que ela não conseguiria lidar com isso e recalcou aquela vivência, fazendo com que ela não se lembre do motivo ou a época em que começou a ter nojo de batatas. Hoje, ela apenas não gosta da batata, mas não sabe a razão, pois a razão foi recalcada e ainda está reprimida, graças ao mecanismo de defesa de sua mente que evitou que ela tivesse que lidar com aquele sofrimento.

            Outro exemplo pode ser uma pessoa que tem medo de avião. Quando mais novarecalque-post-1 andava de avião sem problemas e um dia começou a ter muito medo. Provavelmente essa pessoa entrou em contato com alguma notícia ou imagem de acidente de avião, ou mesmo um sonho que foi extremamente impressionante para ela, sendo que ela não saberia lidar com aquela angústia. Então veio o mecanismo de defesa e recalcou aquela vivência, mantendo-a reprimida lá até hoje. Por isso nossa pessoa não consegue lidar com a ideia de voar de avião e nem se lembra da razão disso.

            Nesses dois exemplos, a melhor maneira de conseguir lidar com a situação difícil para a pessoa é através da terapia. Na psicoterapia a pessoa vai através de técnicas apresentadas pelo psicólogo ir entrando em contato de maneira saudável com aquilo que está reprimido para que ela possa lidar com isso e superar o trauma.

 

            Com essa breve e simples explicação, já podemos notar que frases como “seu recalque bate em mim e volta” ou “sai daqui sua recalcada” não fazem sentido do ponto de vista psicológico ou psicanalítico. Mas é claro que na esfera do senso comum e da arte, existe licença poética. Então é importante citar que não acho errado você usar a palavra com o sentido de inveja, é apenas importante que saibamos que esse significado não é um termo psicanalítico, como muitas pessoas pensam.

Sobre a autora

Priscilla Figueiredo

Priscilla Figueiredo é Psicóloga de orientação Psicanalítica graduada pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas e atua na área da saúde como psicóloga clínica. Para disseminar seu conhecimento, criou o Psicologia Para Curiosos e escreve artigos regularmente aqui no site.

Deixe seu comentario