COULROFOBIA: O Medo de palhaços

Provavelmente a maioria de vocês já sabe que existe uma fobia em que a pessoa tem pavor a palhaços. Então não trago isso como novidade, mas muitas pessoas me perguntam de onde vem esse medo e é isso que vou explicar no post de hoje.

NOTA: As imagens que usei no post são leves e não costumam causar desconforto em quem tem a fobia. Ainda assim, caso cause algum mal-estar em alguém, por favor me avise para que eu possa retirar a imagem em questão.

Deficientes visuais e pessoas com pouco tempo para leitura podem ouvir o áudio do texto no player abaixo.

COULROFOBIA

            Essa fobia é um transtorno de ansiedade na qual a pessoa, ao se deparar com um palhaço ou uma imagem representativa do mesmo, tem ataques de pânico, falta de ar, arritmia cardíaca, suores e náuseas. Além da sensação de insegurança. Tal fobia é reconhecida pelo Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V) e se enquadra em fobia de personagens ou pessoas vestidas com trajes de fantasia.

            É uma das fobias mais conhecidas atualmente e também muito usada no meio fictício. Personagens famosos como Velma do Scooby Doo, Tonya de Todo Mundo Odeia O Cris e Sam Winchester de Supernatural são alguns dos muitos que já declararam seu terror pelos palhaços.

MAS POR QUE AS PESSOAS TÊM MEDO DE PALHAÇO?

            Antigamente os palhaços eram vistos como fonte de alegria e diversão. Nas cortes era um grande entretenimento e um cargo de muita honra. Por que nos dias de hoje a figura passou a ser objeto de medo? Essa é a pergunta mais frequente quando o tema é a Coulrofobia. Há sim, explicação, mas ela se divide em duas vertentes, ambas bastante coerentes e que se unem em certos pontos.

            coulrofobia-post-2A primeira vertente é o inconsciente coletivo. Acredita-se que a ideia de que palhaços são ruins já está impregnada em nosso senso comum, em nossa cultura. Isso começou há muito tempo atrás, em 1820 com o surgimento do famoso Palhaço Grimaldi. Por mais que os palhaços já usassem um pouco de maquiagem para parecerem sujos ou machucados por suas trapalhices, Grimaldi foi o primeiro palhaço que usou a maquiagem branca para cobrir todo o rosto e cores fortes para ressaltar os olhos e a boca. Além disso, ele usava peruca grande de cores fortes, roupas espalhafatosas e coloridas. Hoje essa imagem parece bastante conhecida por nós, mas na época era diferente de tudo que se via e por isso foi um tremendo sucesso. Grimaldi fazia suas apresentações nos teatros mais conceituados de Londres e era difícil encontrar alguém que não tivesse visto – e adorado – sua apresentação. Porém, por trás da maquiagem Grimaldi vivia uma vida perversa. Seu pai era alcoólatra, agressivo, tirânico, abusivo e ele, em consequência disso, cresceu sendo batedor de carteiras. Em casa, deprimiu-se quando a mulher morreu no parto e diz-se que na criação dos filhos usava o método de deixar as crianças sem comer por dias – mas obrigava-as a assisti-lo comer todas as refeições –  quando elas o desobedeciam. Quando adolescente, seu filho não aguentou a pressão e acabou se suicidando. Uma das frases famosas de Grimaldi durante suas apresentações era “eu sou severo o dia inteiro, mas faço vocês rirem a noite”. Existem boatos – não confirmados-  que dizem, ainda, que Grimaldi era pedófilo e chegou a se casar com uma garota de 13 anos. Com tudo isso, a fama do palhaço foi acabando e sua carreira chegou a um trágico fim. O palhaço teve sua vida terminada na rua, sem dinheiro. E foi aí que o palhaço passou a ser artista de circo e não mais de teatros. Ainda com essa história controversa, Grimaldi é hoje reconhecido como um grande artista no meio e reverenciado por muitos. Tendo inclusive um encontro anual de palhaços na cidade de Londres para homenageá-lo.

            Charles Dickens, famoso autor inglês (muito reconhecido por suas obras, como David Copperfield, Oliver Twist, Grandes Esperanças e Um conto de Duas Cidades) escreveu uma série nos jornais locais que contava a história e vida de Grimaldi. Acredita-se que aí se deu início a visão de que palhaços são seres assustadores por trás de suas pinturas e máscaras. Depois disso, surgiram diversos outros assassinos que tinham como profissão o palhaço e colaboraram para construir essa imagem. O mais famoso deles talvez seja o palhaço Pogo, que na década de 1970 estuprou e assassinou 35 jovens e crianças nos Estados Unidos, é ainda hoje conhecido como O Palhaço Assassino.

            Não caberia aqui falar de todos os casos semelhantes a esses – e nem é esse o foco docoulrofobia-post-1 post – mas vale dizer que a parir da década de 1980 o Palhaço passou a ser usado como elemento de medo. Grandes autores e diretores começaram a utilizar essa imagem para suas criações de terror e suspense, como é o exemplo de Stephen King, com seu romance – e sucesso de vendas – It, a coisa. Outro bastante famoso também o Coringa, inimigo do Batman, que decidiu deixar de ser palhaço para ser tornar um psicopata de renome. Há ainda o Palhaço Krusty, dos Simpsons, que é retratado como um autodestrutivo e viciado fumante que não consegue gerenciar a própria vida ou os negócios.

            Bom, contei essa história toda para explicar que, mesmo que não o sejam, a figura do palhaço como algo perigoso e assustador já está muito enraizada em nossa cultura e memória coletiva, e esse pode ser um grande motivo desencadeador dessa fobia. Uma criança que vê na TV, no cinema ou entra em contato com uma história dessas, associa a imagem ao perigo e passa a ter favor da figura. Pavor esse que a acompanha por toda a vida.

MAS E OS CASOS DE CRIANÇAS QUE NUNCA OUVIRAM ESSAS HISTÓRIAS E TEM MEDO MESMO ASSIM?

            Essa é a pergunta que nos leva à outra vertente da resposta. A figura do palhaço com cara branca, olhos, boca e sobrancelhas pintadas, nariz vermelho, peruca grande, roupas espalhafatosas e coloridas, sapatos enormes, pontudos e coloridos foi criada originalmente por Grimaldi, mas hoje é praticamente o uniforme de trabalho de todo palhaço, com pequenas variações.

            coulrofobia-post-3Essa vestimenta levanta uma defesa muito primitiva do ser humano: o perigo no misterioso, no diferente. O palhaço é misterioso, errado em certas formas. É uma pessoa de tamanho normal, mas com proporções e cores erradas de um jeito nada familiar. Isso, acrescentado ao fato de que crianças com menos de 5 anos são extremamente reativas a rostos diferentes, pode ser um combo que cria a mensagem de perigo e desenvolve a fobia.

            Outra forma de pensar é a proposta por Strauss, em 1961. Ele diz que o ato de se mascarar proporciona certa liberdade a pessoa, visto que suas atitudes não são ligadas ao seu rosto. Essa liberdade pode passar também a sensação de perigo, pois uma pessoa que não tomará para si as consequências não tem porque temê-las, permitindo assim que faça coisas assustadoras.

            Mas, mais importante que tudo isso, é que não importa qual foi o motivo que desencadeou sua fobia, ela não é bobeira. Se você tem medo excessivo de palhaços e isso o incomoda ou atrapalha sua vida de alguma forma, é importante procurar ajuda de um psicólogo. A fobia pode ser trabalhada para que a vida seja vivida sem esse incômodo.

 

REFERÊNCIAS

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. DSM-V. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Porto Alegre: ARTMED, 5a. ed, 2014.
BURK, R. Why are people so scared of clowns? History might have na answer, 2014.
DURWIN, J. Coulrophobia and the trickster, 2004.
STOTT, A. M. The Pantomime Life of Joseph Grimaldi, Canongate UK, 2010.
STOTT, A. M. Clowns on the Verge of a Nervous Breakdown: Dickens, Coulrophobia, and the Memoirs of Joseph Grimaldi, Journal for Early Mordern Cultural Studies, v. 12, n.4, p. 3-25, 2012.
WILLET, M. A Brief History of Clowns, and Why They’re So Scary, 2013.

Sobre a autora

Priscilla Figueiredo

Priscilla Figueiredo é Psicóloga de orientação Psicanalítica graduada pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas e atua na área da saúde como psicóloga clínica. Para disseminar seu conhecimento, criou o Psicologia Para Curiosos e escreve artigos regularmente aqui no site.

Deixe seu comentario